FUNK SENSACIONALISTA

Escrito com Vanessa Medeiros

Cidade Alerta

Brasil Urgente

Lixo em nossa mente aberta

Embrutecendo toda a gente


Polícia ou bandido

De que lado você está?

Sinta que delícia

Ver o sangue jorrar


Carne negra na TV

Não identificada

A polícia está fardada

E a galera encarcerada


Sinta o poder

De ser juíz ao vivo

Mata mata mata mata

Mata que ele é bandido


Nos deixando apavorados

Despertando nosso ódio

Da barbárie, os soldados

6 da tarde nosso ópio


Violência é lucro 

Qual é a morte do dia?

Pensamento xucro

Diversão é agonia!

Category: Letras de música | Comentários desativados em FUNK SENSACIONALISTA

Damnant speculatores

Malditos sejam os especuladores imobiliários

Porque eles criam os infernos das nossas cidades!

Malditos sejam aqueles que transformam a terra em mercadoria

Porque essa mercadoria também há de comê-los!

Malditos sejam os que negam teto ao desabrigado

Porque, para eles, não haverá abrigo em nenhum coração!

Malditos sejam os que apagam histórias

Porque suas histórias também serão apagadas!

Malditos sejam os que destróem nossa paisagem

Porque, da nossa paisagem, eles serão destruídos!

Malditos sejam os que arrombam a terra com máquinas

Porque, quando cavam, estão se aproximando do inferno!

Amaldiçoados sejam todos aqueles que fazem do trabalho humano e da terra seu lucro

Porque o lucro irá corroê-los e deixá-los sem alma.

Category: poemas / orações / manifestos | Comentários desativados em Damnant speculatores

impoTEMPOtência

O tempo é um milagre

Só nele eu tenho fé

O tempo passa e isso é certo

O resto é ilusão

Tentativas de eternizar

o efêmero que é insuportável.

O certo é o insuportável

Só nele eu tenho fé

Ele gera o movimento

Que dá algum sentido ao tempo

Para que ele não corra sozinho

Escancarando sem resistência

Quão sem sentido

É a existência.

Category: Uncategorized | Comentários desativados em impoTEMPOtência

14 vezes NÃO

Não falar por sentenças

Não buscar sempre e em tudo a verdade maior

Não ter certeza e certezas

Apenas estar e ouvir

Deixar que uma nova verdade surja

A cada momento

E a cada encontro.

Deixar silenciar se não houver mais o que dizer

Deixar silenciar se as palavras não forem suficientes

Não há ansiedade

Não há obrigação

Não há certo e nem errado

Não há nada – tudo está latente.

Não inventar – compartilhar

Não forjar – fomentar

Não forçar – fluir

Não amar – sentir

Não falar – ouvir

Não acertar – jogar.

Category: Uncategorized | Comentários desativados em 14 vezes NÃO

Os mistérios…

O que é intuição?

É ter certeza sem ter fundamento.

É ter fundamento e não ter certeza.

Pensar e concluir lógica e racionalmente algo,

e não conseguir tirar da sua cabeça a dúvida.

Intuir é sentir que o assunto não está acabado

apesar de parecer resolvido.

É amar ou odiar sem motivo aparente 

mas com intensidade extrema.

É uma fé que não tem intermediário.

Já ter a resposta antes de formular a pergunta.

O que é destino?

Destino é o que vai acontecer 

mesmo que se procure direcionar o futuro em outra direção.

São os obstáculos que se apresentam e mudam o curso da vida.

É o acaso inteligente, 

a sorte no azar, 

ou o azar na sorte.

É o mar no fim do rio.

Category: Uncategorized | Comentários desativados em Os mistérios…

Perfeição

O que me faz pensar que posso atingir a perfeição? Por que, aliás, eu a desejaria, se no fim ela está acabada e só o que existe é o movimento? Não existem, por acaso, pretensões mais nobres e menos tediosas do que atingir esse estado que não existe? E o gosto amargo do erro? Como posso pensar que sou capaz de fugir dele? Posso gostar desse amargo como aprendi a tomar café sem açúcar. Posso me expor ao erro e ao olhar do outro, porque assim serei menos ridícula do que tentando a perfeição. Não há defesas garantidas, não se pode ter preguiça da luta diária. E o acaso é tão íntegro que cumpre seu papel sem se importar com as formalidades sociais.      O acaso existe, a perfeição não.

Category: Uncategorized | Comentários desativados em Perfeição

Deixamos de ser pobres quando nos organizamos

Que nosso sistema politico-econômico-ideológico está falido é certo, temos (quase) consenso em relação a isso. Muitxs dos que ainda não admitiram que o sistema tem que cair e outra forma de organização deve vir em seu lugar não o fizeram por não entenderem (ou acreditarem) que outra forma de se viver em sociedade seja possível. Mesmo aquelxs que lutam para que o sistema capitalista estadista caia ainda não sabem ao certo como seria esse outro mundo que estamos propondo. Nós também não sabemos, na verdade, ninguém sabe, mas, partindo do pressuposto de que o capitalismo está levando não só a humanidade, mas o planeta inteiro e todas as formas de vida nele existentes ao colapso, podemos pensar que pior que isso não parece plausível que fique. O anarquismo, em sua ética contrária à autoridade, à centralização, à hierarquização carrega consigo o antídoto da noção de erro quando escolhe a experimentação como forma de descoberta e conhecimento.

Mais do que fórmulas para se chegar a um determinado fim, pensamos em princípios, pontos de partida, para que muitos caminhos e muitos fins sejam possíveis. A importância da não representatividade surge pois, além de vivermos na pele a sua comprovação de ineficácia – pelo contrário – de perversidade, também podemos pensar que, em teoria, não funciona, pois a concentração de poder tende à concentração de poder, e concentração de poder = arbitrariedade, abuso, privilégios. Nunca ninguém saberá o que todas as outras pessoas precisam, porque a autonomia e a autodeterminação são premissas para uma vida digna e principalmente porque poder não se delega, ou somos políticos ou não somos, e então nos tornamos esvaziados, expropriados do poder sobre nossas vidas.

Quando pensamos em organização social acabamos por pensar nos termos do Estado-Nação que nos foram apresentados pela divisão geográfica nos mapas, com a ideia de território nacional, hino nacional, cultura nacional, língua nacional, constituição do país e seu governo. Essas fronteiras e delimitações são criações abstratas, apesar de sua consequência ser bastante concreta, mas para que tudo isso exista é preciso de uma ação legitimadora chamada “voto”. Essa tentativa de transformar o que é múltiplo e plural em único, uno, unificado, é feita à base de muita violência, etnocício, genocídio, injustiças, expropriações e de um exército nacional.

De saída já podemos pensar que o sistema é econômico e político (em sua base material) e que, para superá-lo, temos que pensar em duas frentes: a nossa organização e o nosso abastecimento. O sistema também é judicial – teremos que nos debruçar cuidadosamente sobre essa questão, mas isso daria um outro texto…

As ideias de organizações sociais mais justas e horizontais renegam a centralização e delegação de poder e se baseiam em reuniões horizontais de pessoas que têm algo em comum, sejam seus interesses, o lugar onde moram, suas profissões ou seus prejuízos. Murray Bookchin, em seu “Municipalismo Libertário” dizia que antes dos Estado-Nações a política era feita pela população em nível comunitário nas assembleias cidadãs diretas. Isso antes dos políticos se tornarem profissionais e burocratas.

Não é à toa que muitas ideias de novas formas de se viver em sociedade venham do passado, das tribos, das aldeias, das comunas. Essas sociedades não tinham a propriedade privada, não tinham transformado a terra em mercadoria, fato que determinou e determina toda a nossa forma de ver e vivenciar a terra e a vida na Terra.

Eis mais uma premissa: para uma que uma organização popular possa ser de fato popular, é preciso que não exista propriedade privada, nem estatal, pois o Estado também é um proprietário. Ser estatal não é o mesmo que ser público.

Mas para que uma organização popular possa ser eficaz é preciso que haja uma nova prática do ser político. Bookchin afirma que mesmo em uma organização que seja gerida a partir de assembleias diretas é preciso que o “cidadão” esteja em constante formação e discussão política. “Mas limitando a vida política unicamente às assemebleias cidadãs, corria-se o risco de ignorar a importância de seu enraizamento numa outra cultura política fértil feita de discussões públicas cotidianas, nas praças, nos parques, nas esquinas das ruas, nas escolas, nos albergues, nos círculos etc. Discutia-se política em toda parte, preparando-se para as assembleias cidadãs, e tal exercício cotidiano era profundamente vital.”

Avançando um pouco no tempo, existiram insurreições urbanas que procuraram se valer de assembleias para sua organização. Na contra-mão de uma cartilha, o Comitê Invisível questiona em seu notável “Aos nossos amigos” a figura suprema da assembleia na atualidade. “Em Oakland como em Chapel Hill, acabou por se considerar que a assembleia não tinha nenhum direito em validar o que este ou aquele grupo podia ou queria fazer, que ela era um local de partilha e não de decisão. Quando uma ideia emitida em assembleia vingava, era simplesmente porque um conjunto suficiente de pessoas a consideravam boa para lhe concederem os meios de a pôr em prática e não em virtude de qualquer princípio de maioria. As decisões vingavam ou não; elas nunca eram tomadas.” Esse questionamento surge porque a assembleia também tem implicações relativas às decisões e à centralização de poder. Essa lógica pode ser mudada se pensarmos nas assembleias como espaço de discussão muito mais do que de decisão, a princípio. Mas mesmo a assembleia pode ser questionada, o que ela representa não é uma forma engessada de organização mas um modo de as pessoas se encontrarem e, de maneira horizontal, dialogarem. Quando acontece um encontro depretensioso e disposto à ação de pessoas alinhadas em suas vontades e princípios, tudo é possível!

Mas porque tanta gente ainda se apega ao Estado como administrador da nossa vida? Seria porque não vislumbraram ainda como podemos gerir sistemas tão complexos, como a geração e distribuição de energia, a internet, a distribuição de água e alimentos, etc? Logicamente não há uma resposta pronta ou um plano para isso, mas alguns autores apontam soluções. Para Bookchin, “o fato para uma comunidade decidir de maneira participativa que orientação seguir numa dada questão não implica que todos devam saber como se concebe e como se constrói uma estrada. É o trabalho dos engenheiros, que podem apresentar projetos alternativos, e os especialistas desempenham, então, por isso, uma função política importante, mas é a assembleia dos cidadãos (e cidadãs) que é livre para decidir. A elaboração do projeto e a construção da estrada são de responsabilidade estritamente administrativa, enquanto a discussão e a decisão quanto à necessidade desta estrada, inclusive a escolha da sua localização e a apreciação do projeto, concernem a um processo político.”

Com isso observamos que a questão da organização política se mistura à administração e execução das decisões tomadas pelo conjunto.

Entendendo que umas das ações mais estratégicas de que o povo dispõe para lutar é o bloqueio (a ocupação, a expropriação ou a retomada do espaço) surgiu o termo “ocupar e resistir”. Seria interessante acrescentar um termo a este lema: “fazer funcionar para o povo”. Ou seja, para além de ocupar e resistir, há que se fazer a fábrica, a escola, a universidade, o transporte, o prédio funcionarem em função do coletivo, da comunidade.

O Comitê Invisível acredita que a administração e execução estão mais nas mãos do povo do que necessariamente dos técnicos, como defende Bookchin. “Por outras palavras: temos que retomar um meticuloso trabalho de pesquisa. Temos de ir ao encontro, em todos os setores, em todos os territórios que habitemos, daqueles que dispõem de conhecimentos técnicos estratégicos. É somente a partir daí que os movimentos ousarão verdadeiramente “bloquear tudo”. É somente a partir daí que se libertará a paixão de experimentar uma outra vida, paixão técnica em larga escala, que é como a inversão da situação de dependência tecnológica de todos.”

E quando pensamos na produção de coisas, logicamente associamos ao capitalismo a à necessidade de gerar lucro a existência de mais da metade dos produtos que existem hoje. A Coca-Cola vai deixar de existir? A Apple? O que podemos entender acerca da existência desses produtos depois da queda do capitalismo é que eles existirão na medida em que serão necessários a tal ponto de mobilizar pessoas para a sua produção. Podemos pensar também que a elitização da informação não existirá mais. Deste modo poderemos pensar em ter a receita da coca-cola acessível para quem quiser produzi-la em casa, ou que teremos acesso a como produzir nossa própria tecnologia de forma autônoma. Ou seja, poderemos, se realmente quisermos, produzir nossos próprios celulares e computadores, ou consertá-los. Podemos pensar que as fábricas serão cooperativadas, ou seja, que poderão sim produzir os bens que são úteis às pessoas, mas não a partir da lógica do lucro, da obsolescência programada, nem de um ritmo acelerado e desumano de trabalho.

Seria ingênuo pensar que um dia o capitalismo vai cair e então teremos o espaço necessário para realizar tudo isso que imaginamos. Os processos acontecem simultâneamente, de modo que devemos começar já, neste instante, a criação dessas formas outras de decisão, discussão, admnistração, produção e trocas!

E para ir além (ou aquém) da nossa necessidade de tecnologia, temos que pensar em nossas necessidades mais básicas. Práticas para sanar em rede essas necessidades são conhecidas em diversas partes do mundo, são as trocas e dádivas, que promovem a desmonetarização e auto suficiência! E para se pensar no agora, por onde podemos começar, olhemos para a terra e para o que precisamos de mais básico, vamos começar daí, pela terra e pela nossa comida. Quem planta colhe! Quem planta seu alimento fabrica seu dinheiro.

Que tal começarmos por uma horta comunitária?

Fontes:

Murray Bookchin . O Municipalismo Libertário.

Comitê Invisível. Aos nossos amigos.

Category: Uncategorized | Comentários desativados em Deixamos de ser pobres quando nos organizamos

Revoluciona-Rio

Eu só rio

Se tu, rio,

Não for cenário

Do inferno fundiário

Que te faz acessório

de negócio conspiratório.


É mesmo muito contraditório

Jogar esgoto depredatório

E vir com discurso doutrinário:

“É progresso!” Ai, que delírio!

Só se progresso for martírio.


O nefasto império fundiário

Que faz dinheiro com o território

É perverso e hilário

Faz do nosso imaginário

Um desterro imobiliário

Sobe prédio inglório

Pra encher de funcionário

Que só ganha 2 salário.


Ó maldito latinfundiário

Da cidade, do campo e do cemitério

Você não passa de um mercenário

Um missionário

A serviço de um plano monetário

Que te torne milionário.


Mas você anda solitário

Seu ideal é precário

Te denunciar é necessário!


O rio é um santuário

Ele me torna revolucionário

Me dá até um calafrio

Pensar no mundo sem rio.

Category: Uncategorized | Comentários desativados em Revoluciona-Rio

O amor e a cidade


Onde tantos transitam

Transitam muitos interesses

Olhar, ver, perceber

Captar o momento, o rosto e as feições de quem passa


Então passa


Infinitamente maior do que o tempo do encontro

(cruzamento, não como o dos animais)

É o tempo eterno do nunca mais


Por isso o treino do desinteresse

O encontro, o momento de iluminação do belo transeúnte

 é esmagado por todos os outros que passam,

pelo tempo posterior que o devora.


Mas o treino não funciona sempre

A vida procura vida

Os olhos procuram olhos

E sorrisos explodem sorrisos


Na metrópole está tudo o que se busca

Mas quase nada está ao alcance das mãos.

Category: Uncategorized | Comentários desativados em O amor e a cidade

Letra de música

Eu não acredito em nenhuma palavra

Que o William Bonner diga


E também não acho

que o Luciano Hulk tenha o bom caráter

que ele diz que tem.

Ele quer que os pobres se fodam.


E se a Ivete Sangalo teve filho

ou um aborto

não me interessa.

Se a Adriana Esteves está trabalhando bem nesta novela

Isso não vai te salvar do seu patrão

Nem vai te libertar da condição

de ser aquele que assiste.

Por isso não há pai, não há pastor

não há apresentador 

que me diga o que devo fazer!

Category: Uncategorized | Comentários desativados em Letra de música