O embotamento dos sentidos

Esboço de um tratado sobre os sentidos a partir de conversas com Dani Sou. O termo “embotamento dos sentidos” é de autoria da Dani Sou.

Percebemos o mundo através dos sentidos. São eles que nos conectam ao mundo exterior. Esse mundo exterior entra em cada pessoa pelos seus sentidos: o tato, o olfato, a visão, a audição, o paladar e quem sabe outros ainda não descobertos.

O ser humano interfere no meio e muita dessa interferência tem relação com a maneira como os sentidos dxs outrxs percebem o mundo. Quando o homem faz do rio um esgoto, ele impõe a merda aos sentidos de quem está próximo do rio. Muitas vezes a razão, através da educação, compreende que algo não vai bem e procura se afastar do rio sujo, mas é quando o mau-cheiro invade seu corpo que a compreensão se dá por completo – a repulsa.

O embotamento, ou a invasão dos sentidos, é comum às diferentes classes sociais, mas em polos opostos. O cheiro forte do perfume da pessoa abastada conflita com o cheiro de merda humana na calçada por onde a pessoa passa rapidamente saíndo de dentro de um automóvel e entrando em algum edifício. A classe média e a classe baixa não conseguem fugir dos sons. Seja o pancadão engolido a seco nas periferias das cidades, seja nas músicas ambiente das lojas de departamentos ou elevadores. Será que xs ricxs conseguem algum silêncio? Só se for através de janelas anti-ruídos, porque quem está na cidade ouve o som intermitente dos carros, eles, que impuseram ao mundo um eterno burburinho dos motores. Quem sabe nos condomínios fechados haja o mais próximo que o mundo consegue do silêncio onde vivem pessoas juntas.

O som alto dos carros com rádios e equipamentos sonoros, ou das motos com motores altíssimos faz pensar na cultura estranha do carro como instrumento de poder, e na música alta também, um pequeno poder, o de gerar incômodo sobre o outro. Quiçá uma sensação de pertencimento fugaz à classe dxs poderosxs.

Vivemos numa época em que o sistema consegue nos dar a ilusão de pertencermos a um mundo de oportunidades e privilégios através da ilusão dos nossos sentidos. O açúcar, o doce, a sobremesa. A classe que não come sobremesa é aquela que mais se empanturra de açúcar. Uma lógica reversa e perversa de pegar a carência e invertê-la, transformando-a em fetiche, em vício.

A inversão simulada da pobreza em riqueza também se manifesta pela visão, com uma parcela enorme da população pobre alisando seus cabelos e pintando-os de loiro, parecendo aos olhos de outrxs pobres, serem ricxs (porque o padrão nos faz pensar que uma pessoa loira pode não ser rica, mas uma pessoa rica é sempre loira). Já as mulheres e homens ricos de verdade têm a possibilidade de pagar por cirurgias plásticas que procuram apagar o tempo dos seus rostos, parecendo, aos olhos iludidos, serem ainda jovens, e sem pereceberem que, com o tempo, apagam também seus traços, suas histórias, suas faces.

Os perfumes presentes em xampús, cremes, sabonetes, sabões de lavar roupas, amaciantes. Esses cheiros tão fortes mas tão naturalizados em nosso cotidiano, servem para lembrar-nos a todxs que não somos animais, que nossos odores devem ser apaziguados e suprimidos. Deve estar na constituição do mundo: “todo ser humano, independentemente de credo, raça ou classe, tem o direito e o dever de ficar cheiroso”. E a qualidade desses odores, o reconhecimento que se tem deles, vai trazer a distinção social. A pessoa de classe baixa tem acesso ao perfume, e ele também é forte, mas a fragrância é o cheiro do dinheiro, do preço, dependendo dela o cheiro forte é sublime ou vulgar. Nesses dois casos, ainda que de modo oposto dentro de uma mesma linguagem (o perfume), as pessoas ainda estão do lado dos civilizados, seja rico ou seja pobre. Caso você cheire a animal, então você pertence à selva, mesmo ela sendo o centro da cidade, essa é uma quase classe social, uma sub-classe, abaixo da baixa.

Do tato, que podemos dizer da violência, das agressões, do estupro? O cúmulo do embotamento desse sentido é a sensação precisa do nosso não acesso ao nosso corpo. No ônibus lotado, nos corpos esmagados um contra o outro, nas taxas exorbitantes de feminicídio, de genocídio da população negra, das pessoas encarceradas – não temos acesso ao nosso corpo, ao nosso tato, à nossa vida. Adeus sensibilidade, a casca fica grossa, ou fica só o couro.

A opressão surge através dos sentidos. Seja através do nosso não-acesso a eles ou através da imposição de informações sensoriais aos nossos sentidos como formas de doutrinação e conformação.

Na cidade isso fica mais evidente, mas é possível notar de muitas formas as opressões aos sentidos em qualquer lugar do Brasil – ou do mundo.

O apelo aos sentidos e ao seu não-descanso gera seres insensíveis, como já nos apontou Georg Simmel, seres amortecidos, exaustos, embotados. E esses seres insensíveis são a cria mais perfeita do capitalismo, pois não tendo acesso aos seus sentidos, não sabem sequer de suas naturezas e, desconhecendo a si mesmos, são incapazes de criar a sua realidade, e por consequência a sua sociedade.

Com os sentidos embotados nos tornamos autômatxs, constantemente invadidxs e estupradxs, ficamos insensíveis e desconhecemos o direito que temos às nossas sensações e à produção de realidade.

Cidade politizadora

A cidade fala, a cidade grita, a cidade politiza. E um dos gritos da cidade é, certamente, o pixo! Para ir trabalhar faço um percurso de 17,5 kilometros, nesse caminho vou lendo os pixos, muitos são políticos e politizados, de protesto, de apoio, de questionamento. Muitos estão na muretinha da Raposo Tavares, que está sendo refeita em vários pontos, muitos já foram apagados, mas os que restaram contam a história das lutas na cidade e no país! Não só contam a história como atiçam, participam ativamente da história!

Decidi anotá-los pois são preciosos e fazem parte da minha formação cotidiana. Me mostram uma cidade em luta e toda a resistência que há no dia-a-dia!


GREVE GERAL

TARIFA ZERO, JÁ! (vááárias vezes)

RESPEITE SUA MÃE E MATE UM POLÍTICO

FORA TEMER (mais de 30 vezes, de todas as cores, tamanhos e fontes possíveis)

AÉCIO ODEIA POBRE, E VC?

FORA TEMER MACHISTÃO

CONTRA O AUMENTO

PODER POPULAR

FORA DÓRIA

PERCA SUA VIDA PARA GANHÁ-LA

O CAPITAL É UMA MERDA


– PRISÃO

+ ESCOLA


COTAS JÁ!

LUANA VIVE!

A PRISÃO DO CORPO É A MENTE

ELEIÇÕES GERAIS JÁ (várias vezes e atropelando um monte de pixos e grafites, diga-se se passagem)

REVOLUÇÃO

NÃO SE CALE

APOIO TOTAL À GREVE DOS PROFESSORES!

LUTE

TUDO É MÁGICO ATÉ VIRAR ROTINA

MATE O GOVERNADOR, POR FAVOR!

SEM TESÃO NÃO HÁ SOLUÇÃO

SEMPRE COVARDE… DIABO DE FARDA

VANDALISMO SIM SEU FILHA DA PUTA!

JOÃO DÓRIA SAFADO!

OS MURALISTAS APOIAM A REVOLUÇÃO

KASSAB, QUE VERGONHA O BUSÃO TÁ MAIS CARO QUE A MACONHA!

ALCKMIN, CADÊ A MERENDA?

DATENA, O REI DOS SAFADOS

COMUNIDADE ATIVA (A NA BOLA) 3,50 NÃO!

COPA POLÍCIA REMOÇÃO LUTA

COPA DAS TROPAS

FIFA FEDE

FIFA GO HOME

FIFA AMA PM

PM APOIA GOLPE

NÃO VAI TER GOLPE!

O ESTADO É O GOLPE

TORTURA ACONTECE(U)

TEMER JAMAIS

3,80 NÃO CARAIO

NINGUÉM É + ESCRAVO

VEM VIVER DE VERDADE

O QUE A GENTE PODE VER NOS MUROS DA CIDADE

ARTISTA DE RUA É VILÃO NUM PAÍS ONDE O OPRESSOR É HERÓI!

ÍNDIO A TERRA É SUA

GOLPE É GUERRA

CADÊ A MERENDA?

LUTAR NÃO É CRIME

MORTE AO CAPITAL

A POLÍCIA SÓ VALE O MAL QUE ELA CAUSA

REVOLUÇÃO SECUNDA

FIM DA PM

O ESTADO É UM GOLPE

TEMER Ñ ADIANTA


Para não dizer que tudo é uma maravilha, reporto aqui aqueles pixos que são ofensivos, completamente sem noção ou que tratam de uma política partidária midiática e modinha:


LULA LADRÃO

DILMA CADELA

MORO MITO